Dec 1 2016

Uma outra escuta do filme “O Som ao Redor”

som-ao-redor-2

Está disponibilizado para leitura e referência bibliográfica a dissertação de mestradoProcessos ao redor: uma discussão entre técnica e estética a partir de uma outra escuta do filme O som ao redor, de Léo Bortolin, defendida em agosto de 2016 pelo programa Multimeios, da Unicamp.

Num primeiro momento a entender qual o real papel do sound design num filme, essa nova expressão sonora que vem ganhando destaque e grande importância à narrativa fílmica, fomos induzidos a refletir o desenho de som do longa metragem brasileiroO Som ao Redor (2012), do diretor Kleber Mendonça Filho. Tudo isso surge pelo grande interesse do som no cinema, estimulado a fortalecer a valorização desse campo, pensar melhor suas articulações e assim trazer esse apanhado a prática cinematográfica, suportes necessários as iniciativas criativas. E foi justamente durante essa pesquisa que assinei a direção de som de dois filmes com uso instigante da narrativa sonora e com elementos expressivos para a melhor percepção fílmica, o curta Command Action (2015) vencedor de dois prêmios de Melhor Som (48° Festival do Cinema Brasileiro de Brasília e no 8° Curta Taquary – Festival Internacional de Curta Metragem – PE) e o curta A moça que dançou com o Diabo (2016), ganhador da “Menção especial do Júri” na competitiva Palme d’Or do Festival de Cannes, entre outros prêmios.

Continue lendo


Oct 31 2016

Entrevista com Vasco Pimentel, diretor de som Português

vasco

Durante a 40ª Mostra de São Paulo, Vasco Pimentel aos 59 anos, mais da metade deles dedicados a trabalhar com o som em filmes de diretores como Manoel de Oliveira, Raúl Ruiz, Wim Wenders, Werner Schroeter, João César Monteiro e Teresa Villaverde, concedeu uma interessantíssima entrevista exclusiva para Adriano Garrett do portal cinematográfico Cine Festivais.

Na entrevista, Vasco Pimentel falou com abrangência sobre trajetória, profissão, visão de mundo, relação com o Brasil, entre outras coisas.

Confira a entrevista na íntegra: “Não consigo parar de remixar o mundo” conta o diretor de som Vasco Pimentel.

 


Oct 21 2016

Sonologia 2016

sonologia
SONOLOGIA 2016 – Out of Phase é uma conferência internacional voltada para o campo dos Estudos do Som. O evento é marcado pela ênfase na pesquisa transdisciplinar envolvendo diferentes instâncias culturais, políticas, artísticas e exploratórias em que o som tem papel protagonista.
Durante o evento serão apresentadas 4 palestras proferidas por convidados de renome internacional, cerca de 50 comunicações de pesquisa e mesas de debate.

De 22 a 25 de novembro de 2016. Terça a sexta das 10h às 19:30. 

Inscrições:
Além da participação dos congressistas, serão abertas 25 vagas para participantes-ouvintes que deverão passar por um processo de pré-seleção. Os interessados devem enviar uma mensagem para o e-mail sonologia@usp.br até o dia 24/10/2016 contendo: 1) uma descrição do seu interesse em participar no SONOLOGIA 2016 – Out of Phase (até 300 palavras); e 2) um breve currículo (até 300 palavras). Os selecionados devem ter disponibilidade para assistir aos 4 dias do evento e receberão um certificado de participação.”

Local: Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – 4º andar. Bela Vista – São Paulo.

Informações retiradas do site do evento: SONOLOGIA 2016


Oct 7 2016

Produzindo Áudio pra Games

“A revista Sound on Sound foi conversar com profissionais de trilhas, dublagens e mixagem para games para entender melhor os aspectos técnicos e mercadológicos do segmento.”


Oct 4 2016

Som Direto no Cinema Brasileiro: fragmentos de uma história

capa_som_final_efeito5-copy

Lançado recentemente no IV ENPSC, o livro “Som Direto no Cinema Brasileiro: fragmentos de uma história” do técnico de som direto Márcio Câmara, já está disponível para venda* pelo email: euphemiafilmes@gmail.com

“O texto de Márcio Câmara é o resultado das inquietações que movem o profissional no que diz respeito ao papel criativo do técnico de som direto. É uma característica do trabalho dele a vontade de contribuir criativamente para o que assistiremos na tela, proporcionando através de suas gravações a oportunidade para que demais setores da cadeia produtiva do audiovisual possam estabelecer relações instigantes entre sons e imagens. Ele faz uma necessária história da função do técnico de som direto no Brasil, mas, para além disso, faz a defesa da autoria criativa possível no trabalho diário do set. Entre o pragmatismo do trabalho diário, suas inquietações e questões densas como a relação entre tecnologia e os hábitos de escuta se inscreve um texto necessário, e, imagino, prazeroso para os trabalhadores da área e para os demais interessados.” do prefácio de Fernando Morais da Costa. 

Continue lendo