Nov 27 2014

Sonoridades no Cinema Brasileiro: Danilo Carvalho e o som de “Vilas Volantes, o verbo contra o vento” – PARTE II

Danilo e soldados do som

Dando continuidade à conversa realizada com Danilo Carvalho que teve como eixo central o som do filme “Vilas Volantes, o verbo contra o vento” (Alexandre Veras, 2005), mas que também abordou outros lados da pratica sonora, segue a segunda parte.

Parte II) Formação em cinema: parcerias e relações.

Guilherme Farkas: Um dos motivos que me levaram a me interessar pelos filmes que você faz, tanto no Vilas Volantes: o verbo contra o vento [1], quanto o Sábado à Noite [2], entre outros, é justamente esse tipo de som que renova um certo cenário de cinema, um certo fazer som, e de se distanciar de um fazer som mais convencional. É justamente isso que estou buscando na minha pesquisa, esse tipo de possibilidade de criação de som, enfim. Só para pontuar, fale um pouco mais sobre a criação cinematográfica mesmo. Se por um lado a música é forte para você, você também faz muitos filmes, você está então imerso no processo do fazer cinema…

Continue lendo


Nov 19 2014

Som de Filmes Pernambucano

som pernambucano

Sobre o Coletivo de Som de Pernambuco:

“A idéia inicial do grupo era ser uma Associação de Técnicos de Som. Mas a possibilidade de tornar o grupo de técnicos de som em um Coletivo era mais atraente e menos burocrática, e foi isso que fizemos. O grupo surgiu por volta de 2012, com o objetivo de tornar a categoria de técnicos de som mais unida e forte; para esclarecer e tentar educar o mercado audiovisual quanto as necessidades dos profissionais de som; também para que os profissionais pudessem se conectar para trocar experiências, uma vez que em Pernambuco já acontecia um movimento para formalização do trabalho no cinema local, através da ABD-PE, CANNE, em alguns momentos contando com suporte e consultoria do STIC-RJ.

Hoje, o Coletivo de Som de Pernambuco conta com cerca de 20 profissionais espalhados pelo Brasil, sobretudo no Nordeste. Faz reuniões periódicas e estuda, num futuro próximo, poder promover cursos e oficinas de capacitações para seus integrantes e para o público em geral. Assim como a maioria dos profissionais de som espalhados pelo mundo e que compartilham as mesmas queixas, a perspectiva no futuro é de que técnicos de som e demais profissionais do audiovisual possam conviver “pacificamente” e que haja, pelo menos, conhecimento sobre o métier dos técnicos de som (desde o trabalho do técnico de som direto, passando pelos editores e chegando ao mixador). Para isso, o Coletivo produz material educativo sobre a profissão que são postados no blog. Os textos estão em português para que tenham um maior alcance entre os brasileiros que fazem parte do universo audiovisual (especialmente produtores e diretores de cinema).”

Por Catarina Apolonio.

 


Nov 14 2014

Sonoridades no Cinema Brasileiro: Danilo Carvalho e o som de “Vilas Volantes, o verbo contra o vento” – PARTE I

Danilo Carvalho

Continuando com a publicação de pesquisa sobre sonoridades no cinema brasileiro contemporâneo, segue a entrevista realizada com Danilo Carvalho, em sua casa na cidade de Parnaíba (PI).

A conversa realizada com Danilo teve como eixo central, assim como as do demais entrevistados na pesquisa, um filme. No caso de Danilo, o filme é “Vilas Volantes, o verbo contra o vento” (Alexandre Veras, 2005). Danilo realizou a captação de som junto com Lênio Oliveira, e também fez a edição de som e mixagem. Porém a conversa com Danilo abordou outros lados da pratica sonora, menos retido em questões metodológicas ou técnicas. Danilo fala sobre a realização de filmes, suas experiências de vida e como tudo isso se desdobra no fazer som para cinema.

Danilo também é realizador e diretor de filmes e foi um dos fundadores do coletivo Alumbramento. É parceiro de longa data de Ivo Lopes Araújo e Alexandre Veras.

Parte I) Aproximações e influências com som e música

Continue lendo


Nov 9 2014

Editando Diálogos com Débora Opolski

Esta semana o portal Case-RTA Áudio para Filme, do profissional de som curitibano João Caserta, divulgou um didático e interessante vídeo sobre edição de diálogos com a editora de som Débora Opolski.

“No bate papo com a Débora Opolski nós falamos sobre edição de diálogos em longas para cinema. A Débora tem muita experiência nesse assunto e eu quis trazer um pouco disso pra vocês. O editor de diálogos é quem recebe e trata o som direto. O seu objetivo é criar uma pista de diálogos com a menor quantidade de ruídos possível. Pra conseguir isso, o editor usa procedimentos e técnicas e muita experiência, criatividade e ouvido! Ela explicou qual é o procedimento que ela usa pra editar diálogos, comentando cada etapa. Desde a abertura do OMF, organização da sessão de Pro Tools, conferencia do Som Direto, até a substituição dos takes e tudo mais. Também conversamos sobre dublagens (ADRs) e sobre como uma pessoa que trabalha sozinho no som de um filme pode usar esse conhecimento ou esses procedimento aqui pra fazer um curta.”


Nov 7 2014

Sonoridades no Cinema Brasileiro: Márcio Câmara e o som de “Cinema, Aspirinas e Urubus” – PARTE III

SONORIDADES NO CINEMA BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO ESTUDOS DE CASO E PROPOSIÇÕES_Márcio Câmara

Seguindo adiante com a última parte da entrevista com Márcio Câmara sobre sua experiência na realização da captação de som direto do filme “Cinema, Aspirinas e Urubus” (Marcelo Gomes, 2005), segue a terceira e última parte.

PARTE III) Panorama atual da figura do profissional de som no mercado audiovisual.

Guilherme Farkas: Qual a sua relação com a pós-produção?

Márcio Câmara: Eu sinto muito… Outro dia eu estava na palestra do Chris Newman [1] (durante o festival do Rio de 2013) e ele sempre fala a mesma coisa, quanto mais você enquanto técnico de som conseguir ir na edição de som, mixagem melhor. Mas a gente nunca consegue… E volto a dizer, eu tenho feito essa pergunta para diversos técnicos de som direto aqui do Rio de Janeiro e todos eles se queixam da mesma coisa. Que não tem feedback, ou se tem é somente quando tem algo errado quando acha que o som está ruim. O máximo que acontece é o produtor, já conversei com a Sara Silveira que ela acha ótimo o som. Mas não tem uma interação. Esse pessoal da pós parece que vive dentro de um mundo autista. E volto a dizer, parece que a criatividade… Outra coisa que eu disse, sobre a revista Filme Cultura n.58 (O Som Nosso de Cada Filme). A única vez que o técnico de som direto é citado é pelo Alessandro Laroca dizendo que o técnico de som acha que o que ele escuta na sala de cinema é o som direto puro. O único momento que o técnico de som é citado! Ele está dizendo que o técnico de som acha que o que vai para a sala de cinema é o som sem todo o processo de edição e pós produção de som. Não sei que esteriótipo mais generico é esse de achar que existe essa figura do técnico de som com essa ingenuidade. Continue lendo