Mar 2 2014

O Silêncio em Extinção

“O silêncio é uma espécie em extinção”, alerta Gordon Hempton. Fundador e vice-presidente da The One Square Inch of Silence Foundation, Hempton também costuma dizer que “a Terra é uma jukebox movida a energia solar”. Ecologista acústico e protagonista do filme Soundtracker – a portrait of Gordon Hempton, onde demonstra que “o silêncio não é a ausência de algo, mas a presença de tudo”, segue difundindo a necessidade e importância de preservarmos os sons naturais em todo o mundo. Nesta palestra realizada para o Ted x Amazônia, ele desenvolve um pouco mais de suas ideias e objetivos.

 

20 anos atrás Gordon Hempton também visitou a Amazônia brasileira para fazer algumas gravações. Recentemente ele retornou. Confira abaixo como soou este último encontro:


Feb 22 2014

A Experiência do Cinema de Lucrecia Martel

A experiência do cinema de Lucrecia Martel

A Experiência do Cinema de Lucrecia Martel: resíduos do tempo e sons à beira da piscina (Ed. Alameda, 2014) é o mais recente livro nacional dedicado à reflexão sobre o som cinematográfico. A autoria é da pesquisadora Natalia Christofoletti Barrenha.

“Este é um livro de alguém que sabe escutar. É habitual encontrar críticos que saibam ver, mas é muito mais raro encontrar um crítico que saiba escutar. E este é um desses casos, porque quando Natalia escreve que “as pessoas são fragmentadas pelo enquadramento – os corpos se insinuam mais do que mostram, tal como os personagens sussurram mais do que verdadeiramente falam”, lê nesse sussurro uma lógica do desejo, das crenças e das classes sociais.

E faz com que o leitor perceba como, em um som, podem ser notados diferentes níveis de sentido. Porque, como vemos no livro, “o som é a melhor maneira de compartilhar a percepção de alguém”. Guiando-se no labirinto de Lucrecia Martel só pela massa de sons, a autora analisa a família e o catolicismo, chaves no mundo de Martel. E, de um modo mais inesperado, a influência dos westerns e dos filmes de terror e de classe B, o peso das narrativas orais de Salta e o diálogo com a literatura de Horacio Quiroga e Silvina Ocampo.

Este livro, de todos os modos, não se disfruta somente como crítica de cinema. Também pode ser lido como estudo de crítica comparada: não no sentido de que confronta a filmografia de dois países (Brasil e Argentina), mas em um sentido muito mais profundo. É o olhar de uma brasileira sobre a obra fílmica de uma diretora argentina. Sem declarações nem falsos dramatismos, Natalia observa e escuta com o frescor de uma estrangeira e a sabedoria de quem entende de cinema.”

Sobre a autora: Natalia Christofoletti Barrenha é doutoranda do programa de Pós-Graduação em Multimeios da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no qual também desenvolveu sua pesquisa de mestrado – origem deste livro. É graduada em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Estadual Paulista (Unesp/ Bauru).


Feb 17 2014

Sobre Som e Narrativa

Em maio de 2013 a cineasta argentina Lucrecia Martel, conhecida por realizar filmes com sofisticadas relações audiovisuais e estar sempre atenta ao potencial do elemento sonoro em suas obras desde o roteiro, realizou um workshop no 5° Encontro Ficção Viva em Curitiba-PR com a seguinte descrição:


“Imersos no ar, como em uma grande piscina vazia de água, assim estamos. Nós crescemos entre conversas, ondas que viajam através do ar e nos rodeiam, nos atravessam. Mas nós consagramos nosso tempo ao olho. Existe uma maneira de construir o cinema a partir do som e, de todos os sons, aquele da língua mãe. Breve referência à construção do espaço visual baseado no som, e à escrita do roteiro em camadas.”
Lucrecia Martel


O projeto Ficção Viva publicou recentemente a transcrição deste workshop que está disponível para visualização online. Mais um rico material de consulta para aqueles que valorizam e querem expandir as possiblidades de criação audiovisual no cinema.


Feb 15 2014

Uma sistematização da rotina do profissional do som direto

João Godoy - Som Direto

A prática de captação do som direto ganhou esta semana uma de suas principais referências bibliográficas já escrita em língua portuguesa. Um manual técnico e prático para captação de som direto em produções audiovisuais escrito pelo Técnico de Som Direto e Professor Doutor do curso de Audiovisual da ECA/USP, João Godoy

O texto apresenta uma sistematização da rotina de trabalho do profissional do som direto e suas implicações com as demais áreas técnicas da realização audiovisual.

Como sabemos, som direto é o som captado e registrado em sincronia com as imagens em uma realização audiovisual. O vínculo da captação simultânea entre som e imagem determina os procedimentos de trabalho empregado pelo profissional do som direto.

A fidelidade na representação dos eventos acústicos é compartilhada por diversas áreas profissionais que lidam com a matéria sonora (indústria fonográfica, produção radiofônica, espetáculos musicais, etc.), e a qualidade do som direto é igualmente orientada por esta premissa. Porém, no trabalho realizado pelo som direto os procedimentos empregados estão condicionados à captação simultânea da imagem que, via de regra, determina que os dispositivos de captação estejam fora de quadro, limitando o posicionamento dos microfones. É com esta premissa que se organiza o método de trabalho do som direto.

João Godoy

O manual completo “A Prática de Captação do Som Direto - uma sistematização da rotina do profissional do som direto” encontra-se para download no site Mnemocine ou para consulta em duas partes no site da Associação Brasileira de Cinematografia (Parte 1 e Parte 2).

 


Jan 26 2014

As Nuances da Voz

O curta-metragem “As Nuances da Voz(Gérard Corbiau, 2014) foi apresentado na 11ª Semana do Som na França, com o objetivo de aumentar a conscientização sobre a escala de decibéis e, em particular, sobre a dinâmica do som nas salas de cinema. Este foi o segundo filme co-produzido pela Semana do Som com fins educacionais. Em 2013 foi a vez do curta-metragem “Cinco ponto hein?” que sensibilizou o publico em relação à espacialização sonora das salas.

PS: Os níveis de ruído mostrados no filme são os que você ouve em uma sala de cinema e não nos alto-falantes de um computador.

Mais informações: 11ª Semana do Som