Nov 3 2014

Sonoridades no Cinema Brasileiro: Márcio Câmara e o som de “Cinema, Aspirinas e Urubus” – PARTE II

Marcio Camara

Dando continuidade à entrevista com Márcio Câmara sobre sua experiência na realização da captação de som direto do filme “Cinema, Aspirinas e Urubus” (2005) dirigido por Marcelo Gomes, segue a segunda parte.

PARTE II) Experiência na captação de som direto no filme Cinema, Aspirinas e Urubus (Marcelo Gomes, 2005).

Guilherme Farkas: Agora entrando mais especificamente no Cinema, Aspirinas e Urubus (Marcelo Gomes, 2005). Você já comentou um pouco como conheceu o Marcelo Gomes, mas gostaria de saber como se deu sua entrada no filme e como foi o seu contato com o Marcelo.

Márcio Câmara: O Marcelo já tinha feito alguns curtas e feito outras coisas também. Acho que fiz alguns institucionais com ele aqui no Rio de Janeiro na época. Mas eu lembro da proposta dele, do filme. Lembro que ele estava captando recursos para filmar o longa. Lembro dele sempre me falar da difuculdade das filmagens, que é uma dificuldade inerente ao processo de um road movie e o fato de estar quase sempre dentro de um caminhão e de como fazer isso funcionar tecnicamente, tanto para imagem quanto para o som. Eu tive a experiência de fazer o som o curta-metragem dele, o Clandestina Felicidade (1998, co-dirigido com Beto Normal) que ele tinha gostado muito. É um filme que não tem muita elaboração mas em termos de diálogo foi muito complicado porque era todo filmado em Recife, em área urbana, uma série dificuldade que conseguimos conciliar. Mas também a partir disso desenvolvi uma relação boa com ele, que gostou não só da sonoridade como também da relação. Acho também, volto a dizer, que tinha uma certa carência de alguém de som no Nordeste e talvez por eu ser nordestino a gente se entendeu nesse nível. Eu lembro que na época do filme teve um desafio físico muito grande para mim. Eu fiz um filme anterior ao do Marcelo, chamado Cafundó Continue lendo


Oct 26 2014

Sonoridades no Cinema Brasileiro: Márcio Câmara e o som de “Cinema, Aspirinas e Urubus” – PARTE I

Guilherme Farkas

Em junho de 2013, iniciei, como aluno do curso de bacharelado em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal Fluminense, uma pesquisa de iniciação científica orientada pelo professor Fernando Morais da Costa. Tinha o objetivo de estudar as sonoridades em alguns filmes no cinema brasileiro contemporâneo e de aproximar as experiências vividas no âmbito da realização do sonoro com um pensar mais acadêmico. Ou seja, fazer com que a realização sonora e os profissionais de som no cinema brasileiro tenham suas produções ligadas também a um pensamento mais teórico. Logo, juntos Fernando e eu, escolhemos quatro filmes brasileiros realizados no período entre 2005 e 2013. Realizei entrevistas com cinco profissionais de som ligados aos filmes eleitos. A partir de leitura bibliográfica sobre som no cinema e das entrevistas realizadas, redigi um artigo tentando relacionar as experiências que passaram tais profissionais e uma leitura mais teórica sobre som no cinema.

O resultado disso foram as transcrições das cinco entrevistas e a redação de um artigo científico. O que compartilho abaixo é a entrevista realizada com Márcio Câmara. Tendo como norte sua experiência na realização da captação de som direto do filme “Cinema, Aspirinas e Urubus” (2005) dirigido por Marcelo Gomes.

Em ocasião da publicação no Artesãos do Som, a entrevista foi divida em três blocos: I- História e início no som, II- Experiência na captação de som direto no filme Cinema, Aspirinas e Urubus (Marcelo Gomes, 2005) e III- Panorama atual da figura do profissional de som no mercado audiovisual.

Continue lendo


Sep 20 2014

A Importância do Som no Cinema por Geraldo Moraes

Mini documentário realizado com o diretor, roteirista e produtor Geraldo Moraes sobre a importância do som no cinema.


Sep 17 2014

Mesa Redonda “Trilha Sonora na Era Digital”

Mesa redonda sobre a “Trilha Sonora na Era Digital” realizada em Curitiba-PR no dia 12 de setembro pela escola Yellow Audio Institute. A mediação foi de João Caserta, com participação da musicista Grace Torres e dos músicos Rodrigo Lemos (Lemoskine), Demian Garcia e Vadeco. Assista na íntegra o streaming da mesa:


Sep 15 2014

História e Tecnologia do Som no Cinema Brasileiro

“Um registro de uma fala preciosa por um mestre do som direto do Cinema Brasileiro” afirma David Pennington. Em setembro de 2013 durante a exposição Ressonâncias Históricas – tecnologia de som no cinema brasileiro que fez parte do 7º Festival Cine Músicao cineasta e técnico de som direto Walter Goulart, um dos profissionais do som cinematográfico mais experientes do Brasil em atividade, contou um pouco da história do som no cinema nacional na companhia de Roberto Carvalho, Fernando Ariani e Gustavo Andriewiski. Registro de David Pennington.